Balanço do vitorioso 37º Encontro Nacional de Estudantes de Pedagogia

cropped-manifestac3a7c3a3o-5.jpg

Boletim ExNEPe Agosto17

A Comissão Organizadora do 37º ENEPe juntamente com a Executiva Nacional dos Estudantes da Pedagogia saúdam os mais de 650 estudantes presentes no vitorioso ENEPe no sertão! Foi uma grande vitória a realização desta 37a edição do Encontro Nacional de Estudantes da Pedagogia no sertão Pernambucano, com o tema: Contra as políticas imperialistas do Banco Mundial para o ensino público no Brasil e a formação do pedagogo.

Durante os 8 dias de encontro, estudantes de todos os cantos do país se reuniram no intuito de avançar na organização e na luta nacional em defesa do ensino público no nosso país. Com mesas de debate, grupos de discussão, minicursos e oficinas que contaram com participação de estudantes, professores, camponeses e trabalhadores em luta, nós avançamos nos debates e no entendimento sobre a situação em que se encontra o curso de Pedagogia, a educação no nosso país e a luta em defesa de nossos direitos e contra a privatização do ensino, que se agudiza no contexto atual da maior
crise do imperialismo.

Uma das maiores expressões da vitória do Encontro se deu já na Mesa de Abertura, com a presença de camponeses, professores das universidades, estudantes secundaristas que participaram das ocupações e representantes de movimentos populares que saudaram o início do evento. Várias falas foram no sentido de apoiar a luta dos camponeses de todo país que avança com novas mobilizações e retomadas de terra, respondendo a altura os ataques do velho Estado e os massacres do latifúndio.
Isto demonstrou o nível de decisão em avançar a organização dos estudantes da pedagogia para seguir unindo a luta do nosso povo contra este velho e podre Estado que segue atacando nossos direitos. E este foi o espírito que se viu ao longo dos outros dias.

Na mesa sobre a situação política a professora Fátima Siliansky, que foi arbitrariamente exonerada da direção do Hospital Universitário da UFAL pela EBSEHR neste ano, denunciou a privatização do ensino e como a sua exoneração é expressão concreta do avanço da privatização na gestão das universidades por empresas privadas – o que implica no maior ataque à autonomia política e administrativa das universidades públicas. Também foi denunciado o grave risco de fechamento das universidades, principalmente das estaduais, com o agravamento da crise e o aprofundamento da política de sucateamento visando criar uma suposta necessidade de “resgaste” pelo capital privado. A notícia do fechamento por tempo indeterminado da UERJ por falta de verba, veiculada no dia 01 de Agosto, confirma de maneira contundente o que discutimos no 37o ENEPe.

A mesa sobre a Formação científica e unitária do Pedagogo aprofundou o entendimento sobre a concepção crítica marxista de formação do pedagogo, baseada na indissociabilidade entre ensino, da pesquisa, da coordenação político-pedagógica dos processos educativos, todos estes aspectos vinculados à luta de classes e aos movimentos populares. Compreendendo a educação e o ensino como fenômenos da luta de classes, destacou-se esta última como aspecto principal e determinante da formação crítica do pedagogo. Ouseja, apenas nos engajando e contribuindo na luta pela transformação social e educacional de nosso país poderemos nos formar criticamente e impulsionar nossas lutas, e isto deve se dar desde a formação inicial, vinculando nossos currículos às práticas de educação popular no campo e na cidade, às lutas democráticas dos camponeses, povos indígenas e quilombolas, ao combate à privatização das escolas e universidades.

Como pedagogos e pedagogas em formação, tomarmos posição de classe é  fundamental, para defendermos uma educação que sirva ao povo e às suas lutas!

Na mesa sobre a Regulamentação da Profissão vimos que tudo isto é o oposto do que se vê com as Reformas Curriculares e com o avanço da BNCC que buscam seguir atacando o ensino público e colocam a concepção pragmática e tecnicista para a formação dos professores como “dadores de aulas”, muito distante de uma formação científica que integre a pesquisa e a docência com as lutas de nosso povo. Também foi denunciado o projeto “Escola Sem Partido” que, sob o  disfarce de defesa da “neutralidade” na educação, avança com a criminalização e perseguição dos professores e estudantes que levantam suas reivindicações e aplicam um ensino crítico e democrático.

A mesa sobre a Reacionarização do Estado colocou em discussão o avanço da luta popular em meio aos ataques do governo bandido de Temer e do imperialismo que, vivendo a maior crise de sua história, não possuem outro caminho senão aumentar a exploração e opressão do povo trabalhador. Nesta mesa, tivemos importantes falas de professores democráticos, homens e mulheres do povo que desmascararam o caráter de classes do velho Estado brasileiro, gerido pela grande burguesia e o latifúndio, sempre à serviço do capital financeiro internacional e dos países imperialistas.

O representante da Liga dos Camponeses Pobres   fez denúncia importantíssima sobre a situação de Paud’arco, no Pará, onde recentemente as famílias camponesas retomaram, junto com a LCP, as terras do latifúndio no qual 10 camponeses foram mortos recentemente pela polícia militar, num odioso massacre contra as massas em luta. Estes ataques contra o povo contam, ainda, com amplo apoio do judiciário que dá
todo aval e “cobertura jurídica” para que a reforma trabalhista e da previdência avancem a passos largos no Congresso e Senado, bem como autorizam medidas privatizantes na pós-graduação, no caso do pagamento das pós-graduações, destruindo ainda mais o ensino superior gratuito.

Os trabalhos de campo foram fundamentais para queos estudantes de todo país entrassem em contato com a realidade do sertão. Nos assentamentos de camponeses, na escola rural da Massaroca, nas mulheres rendeiras, nós pudemos não apenas conhecer estes locais e suas lutas, mas contribuir para levantarmos pautas e ações concretas na Plenária de compartilhamento das experiências.

As oficinas, minicursos e grupos de discussão foram uma parte essencial neste 37º ENEPe: todos os presentes puderam colocar suas opiniões e suas visões sobre os temas do encontro e contribuir com propostas para a Plenária Final e o Plano de Lutas que foi aprovado para o segundo semestre de 2017 e 2018.

Após a Plenária para definição das próximas sedes, preparou-se a manifestação dos estudantes de Pedagogia, como ocorre todos os anos. Após um dia inteiro de definições, a manifestação saiu vigorosa com faixas, bandeiras e um carro de som, aonde as Executivas, a C.O., os CA’s faziam falas e puxavam palavras de ordem. Os estudantes andaram pelas ruas de Petrolina e colocaram para o povo que passava a necessidade de se rebelar contra os ataques aos direitos do povo.

Todo o encontro teve este espírito: o de se espelhar na combatividade dos camponeses de Pau D’Arco e enfrentar os ataques que estão em curso contra nosso povo, unindo a pedagogia aos estudantes de todas demais licenciaturas, professores democráticos e às
demais classes populares. Impulsionar a organização dos estudantes de pedagogia para barrar o fechamento das nossas universidades!

O debate do 37o apontou a urgência de levantarmos a bandeira da luta contra a privatização e o fechamento das escolas e universidades públicas. Os governos dos diferentes partidos vem aplicando há décadas a política de sucateamento e as universidades brasileiras estão chegando a um nível gravíssimo de falta de verbas. Com isto, estes reacionários de todas as siglas planejaram chantagear as reitorias para adotarem medidas de privatização, seja cobrando dos estudantes ou se sujeitando ao financiamento privado. Isto nós temos que barrar! A pedagogia tem que se preparar
para estar na linha de frente a esses ataques contra a educação!

Durante toda a preparação para o 37º ENEPe, a Executiva Nacional cumpriu um papel importantíssimo de mobilização dos estudantes de pedagogia, visitando diversas regiões do país, impulsionando a organização e a luta dos estudantes para participarem do encontro. É hora de darmos um salto nesta nossa atuação, impulsionando nossa mobilização nacional em defesa do ensino público. É hora de convocarmos uma LUTA NACIONAL contra a privatização e o fechamento das universidades públicas e fazer o dia 23 de Novembro – Dia Nacional de Luta da Pedagogia ecoar em todo o Brasil!

Chamamos os estudantes de todo país a seguirem levantando suas bandeiras de luta e se organizando, mobilizando mais e mais estudantes a se somarem na construção das entidades de bases, CA’s e DA’s, a realizarem Encontros Estaduais e elegerem suas respectivas Executivas. Deste modo poderemos seguir levantando um movimento massivo e combativo, desde cada sala de aula, para defender o ensino público, gratuito, verdadeiramente democrático e a serviço do povo.

Nós, da Comissão Organizadora do 37o ENEPe, desde já saudamos o 38o Encontro Nacional em Maceió/AL e mais uma vez reafirmamos nosso compromisso de seguir no caminho da luta combativa e independente para cumprir com os planos acordados neste Encontro e mobilizar os estudantes da Pedagogia com ainda mais decisão para combater e resistir aos ataques aos nossos direitos! Vamos unificar a nossa luta! É urgente reabrir a UERJ e manter todas as nossas universidades abertas e funcionando! Abaixo a privatização e o fechamento das universidades públicas!

Tanto neste ano como no ano que vem haverá muita luta. Desde já conclamamos todos estudantes do Brasil a construírem o 38º ENEPe em Maceió/AL e o 22º FoNEPe em Caruaru/PE, para seguirmos aprofundando os debates e a luta contra a privatização
e o fechamento das escolas e universidades. Este é o caminho da nossa luta, do campo à cidade, da Amazônia ao Sertão e do Sertão ao Litoral, percorrendo todo o Brasil e mobilizando os estudantes em muita luta!  Retomando a profecia de Antônio Conselheiro, em meio à guerra camponesa de Canudos:

“O sertão vai virar mar
e o mar virar sertão
porque assim mal dividido
esse mundo anda errado
a terra é do homem
não é de Deus nem do diabo
O sertão vai virar mar e o mar virar sertão!”

Comissão Organizadora do 37o ENEPe
Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia
Agosto de 2017

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s