ExNEPe intervém na SBPC contra as perseguições políticas: Não é só pelos 23!

Companheiros da Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia realizaram intervenções políticas na Universidade Federal de Alagoas nos dias 24 e 25 de julho, durante a realização da 70º reunião anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência).

A ExNEPe se integrou à campanha nacional em repúdio à arbitrária e fascista decisão do juiz Flávio Itabaiana que condenou os 23 ativistas políticos do Rio de Janeiro que estão sendo perseguidos como símbolo do ódio do velho Estado contra a juventude combatente que desde das grandes manifestações de junho e julho de 2013 tem levantado em todo o país contra os diferentes governos, a corrupção e toda a exploração e miséria sofrida pelo povo.

Em sua intervenção na Mesa Redonda: Universidade Pública: Autonomia, Financiamento e Pensamento Crítico, a ExNEPe convocou todos os presentes a participarem desta campanha, destacando que a liberdade de se expressar politicamente e de organizar em função do seu posicionamento é fundamental para a defesa consequente das universidades públicas e do seu caráter gratuito, hoje flagrantemente ameaçado pelos governos à serviço do imperialismo.

Essa perseguição fascista contra os ativistas no rio é parte do golpe militar contra-revolucionário em curso em todo o país, orquestrado pela grande burguesia e o latifúndio, serviçais do imperialismo, para tentarem conter a crescente revolta popular que em breve desbordará em grandes ondas. Neste cenário, todos aqueles que lutam tem sido perseguidos, seja na cidade ou no campo. E até mesmo nas próprias universidades.

Mesa SBPC.png
Intervenção da ExNEPe na mesa redonda da SBPC

Abaixo a perseguição política na UFAL!

Na sua intervenção, a ExNEPe também prosseguiu a denúncia que vem realizando nacionalmente contra a atitude fascista de expulsar a estudante Tarsila de sala de aula como parte da perseguição política realizada contra a ExNEPe na UFAL. Esta ação persecutória, culminada do dia 25 de abril, representou um ataque flagrante ao direito dos estudantes ouvintes e à liberdade de cátedra dos professores que haviam acolhido Tarsila como aluna. Na ocasião, a reitoria da UFAL havia se justificado perante a justiça federal como sendo a expulsão política o “mais natural…para que a paz volte a reinar”.

Após a intervenção da ExNEPe, a reitora Maria Valéria Correia, que estava coordenando a Mesa Redonda, voltou a se justificar de maneira vergonhosa, contando com o apoio de setores imobilistas do movimento estudantil e de “orgulhosos” representantes da Une pelega e oportunista. De maneira acintosa, a reitoria desviou o curso do debate, defendo a reitora de estar sendo acusada de fascista, tergiversando sobre o assunto para não entrar no debate sobre a expulsão. A própria reitora disse ainda ter sido “absolvida pelo Ministério Público” e mentiu sobre o próprio estatuto da UFAL dizendo que ele não permite a condição de aluno ouvinte.

Como parte da sua “defesa”, a reitora elegeu como “símbolo de resistência” o reitor da UERJ, Rui Garcia Marques, cuja presença na mesa de debate foi repudiada pelas suas declarações recentes à revista Veja defendendo a privatização da UERJ mediante a cobrança de mensalidade. (Veja a matéria na íntegra em https://veja.abril.com.br/revista-veja/universidade-na-uti/)

Nós não aceitamos esta resposta fajuta e mentirosa! Exigimos que a reitoria se retrate e reconheça seu erro em apoiar a campanha fascista e persecutória da antiga gestão do Caped contra a companheira Tarsila e a ExNEPe independente, classista e combativa. Todas as mentiras e manobras da reitoria para justificar essa perseguição política já foram denunciadas no Comunicado da Executiva Nacional disponível em https://exnepe.org/2018/07/03/comunicado-o-38o-enepe-acontecera-na-universidade-estadual-de-alagoas-em-uniao-dos-palmares-terra-de-zumbi-e-dandara/

panfletagem SBPC
Panfletagem realizada por ativistas populares durante a SBPC. No fundo, a faixa: “Abaixo a condenação fascista dos 23 ativistas políticos no Rio de Janeiro!”

Ainda como parte da campanha, centenas de panfletos também foram distribuídos por integrantes de movimentos populares durante as atividades da SBPC. Professores cariocas do Fórum Nacional em defesa da Ciência e Tecnologia que participam da reunião da SBPC saudaram os ativistas e demonstraram seu apoio à campanha em defesa dos 23 ativistas condenados.

Estas atividades correspondem ao cumprimento do Plano de Lutas Nacional da ExNEPe, definido no seu 38º Encontro Nacional, no qual consta a luta em defesa dos direitos de livre expressão, organização e manifestação e contra as prisões e perseguições políticas.

LUTAR NÃO É CRIME!
ABAIXO AS PRISÕES E PERSEGUIÇÕES POLÍTICAS!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s