COM CORTES DE VERBAS UNIR SÓ TEM RECURSOS PARA FUNCIONAR ATÉ JULHO

Nota do MOCLATE – Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação

COM CORTES DE VERBAS UNIR SÓ TEM RECURSOS PARA FUNCIONAR ATÉ JULHO

Recurso liberado pelo MEC atende apenas 50% de orçamento de custeio da Universidade.

O anúncio da liberação de R$ 1 bilhão em crédito suplementar autorizados pelo Congresso Nacional para o Executivo utilizar na pasta do MEC, por meio de operações de crédito é insuficiente para manutenção das Universidades e Institutos Federais. O texto aprovado nesta terça-feira, 11 de junho, garante apenas quitar despesas discricionárias (como água, luz e manutenção). O corte de 7,4 bilhões da Pasta ainda está mantido.

Segundo Nota Informativa da Pró-Reitoria de Planejamento da UNIR a liberação de R$ 2.982.296,00 (dois milhões, novecentos e oitenta e dois mil, duzentos e noventa e seis reais) garantirá “despesas obrigatórias com contratos continuados (energia, água, vigilância, limpeza, telefonia)” o que representa “50% do orçamento de custeio, garantindo o funcionamento institucional até o final deste semestre”. Com férias em julho, o calendário do segundo semestre está comprometido e os acadêmicos correm o risco de ficar sem aula a partir de agosto e o semestre letivo não iniciar.

Em virtude dos cortes no orçamento da educação, acadêmicos, técnicos e estudantes da UNIR definiram cruzar os braços em uma greve de 24 horas na próxima sexta-feira. Segundo o Comando Unificado da UNIR, a greve do próximo dia 14 (sexta-feira) tem como pauta a defesa da educação pública, contra os cortes de verbas e contra a reforma da previdência. Uma programação extensa inclui um ATO UNIFICADO, convocada por sindicatos e o movimento estudantil (centros acadêmicos e grêmios), que ocorrerá às 08:00 da manhã na praça das 3 caixas d’água. Na parte da tarde a programação incluirá atividades de formação e debate na UNIR Centro e à partir das 17h ocorrerão atividades culturais. Segundo Carlos Henrique, estudante de pedagogia e integrante do Comando Unificado, “a proposta é um dia de protesto, formação e integração da comunidade universitária que visam chamar a atenção dos ataques que a educação vem sofrendo”.

Para Estefani Morais, do Centro Acadêmico de Ciências Sociais, “é preciso se mobilizar e cobrar do governo federal mais investimentos na educação. Inúmeros centros acadêmicos já estão se mobilizando para parar a universidade”, afirma. Segundo o professor Marco Teixeira, professor do curso de história da UNIR, “é preciso que toda a sociedade se mobilize e se manifeste contra o governo, levando suas reivindicações em defesa da educação, da previdência pública e em defesa de outros direitos. Dia 14 estaremos nas ruas e é importante que cada cidadão e cidadã se mobilize”, conclui. Outras categorias como trabalhadores da educação da rede estadual e municipal, bancários e servidores públicos federais também aderiram à greve do dia 14.

Veja Nota Informativa da Pró-Reitoria de Planejamento da UNIR em http://www.unir.br/index.php?pag=noticias&id=26997

A UNIR VAI PARAR

cartaz3

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s