MEC flexibiliza limite de ensino à distância em curso superior presencial

Com informações de uol.com.br

O Ministério da Educação (MEC) divulgou nesta quarta-feira uma portaria que permite que até 40% da carga horária dos cursos superiores presenciais da rede federal seja ofertada na modalidade de ensino a distância (EAD).

Anteriormente, a oferta de EAD era limitadas a 20% da carga horária total do curso, mas podia ser ampliada a 40% desde que atendidos determinados requisitos exigidos pelo MEC.

Conforme publicado no Diário Oficial da União, as Instituições de Educação Superior (IES) “poderão introduzir a oferta de carga horária na modalidade de EAD na organização pedagógica e curricular de seus cursos de graduação presenciais, até o limite de 40% da carga horária total do curso”. A exceção são os cursos de Medicina.

As ações de empresas de educação figuravam entre as maiores altas do Ibovespa nesta manhã, com Cogna (antiga KROTON) em alta de 3,9% e Yduqs com elevação de 3,3%. Fora do Ibovespa, Ser Educação ganhava 1,2% e Anima tinha elevação de 0,8%.

De acordo com a portaria do MEC, na fase de parecer final dos processos de autorização de cursos presenciais, o direito de oferecer até 40% do conteúdo em EAD depende de curso equivalente em EAD, com nota de pelo menos 3 em metodologia, atividades de tutoria, ambiente virtual de aprendizagem e tecnologias de informação e comunicação.

“Em nossa opinião, esta atualização aumenta substancialmente a flexibilidade para um uso mais forte do conteúdo de EAD no portfólio local, potencialmente gerando uma economia significativa de custos para as empresas de ensino superior”, afirmou o analista Pedro Mariani, do Bank of America Securities.

A expansão do Ensino à Distância só contribui para o esvaziamento teórico e científico dos cursos de graduação, e, na ausência de ciência nos currículos, abre-se espaço para o tecnicismo e pragmatismo, que servirão para formar os estudantes apenas como mão-de-obra barata no mercado de trabalho brasileiro, bem ao gosto dos interesses de instituições financeiras internacionais, como Banco Mundial, que mandam e desmandam no MEC.

Diferente do tecnicismo, a ciência na educação dá bases para a correta compreensão da realidade e a possibilidade de atuação e transformação desta. A ciência, portanto, inversamente ao tecnicismo, contribui para o impulsionamento da luta do povo por melhor condições de vida, e dentro disso, também nos atiça a vontade de lutar por uma educação pública, gratuita, científica, democrática e a serviço do povo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s