Reforma da Previdência de Governo Militar afeta remuneração de docentes da ativa e aposentados a partir do próximo mês

  • Repercutido de ADUFC – SINDICATO

A Reforma da Previdência de Bolsonaro-Maia, aprovada no ano passado por meio da Emenda Constitucional 103/2019, já começou a afetar diretamente os aposentados e pensionistas portadores de doenças especificadas em lei com a mudança nos descontos do Plano de Seguridade Social (PSS). 

Em Comunicado Geral, o Ministério da Economia informou que a partir da folha de pagamento de janeiro de 2020, compensada em fevereiro, os descontos para aposentados e pensionistas enquadrados na nova regra será de 11% sobre o excedente do limite máximo estabelecido para os benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). 

Antes da revogação pela EC, o §21 do artigo 40 da Constituição Federal assegurava aos aposentados e pensionistas por doenças incapacitantes que o desconto previdenciário incidiria apenas sobre o que excedesse o dobro do teto fixado pelo RGPS, que em 2019 era de R$ 5.839,45 – não incidindo sobre remunerações inferiores a R$ 11.678,90. Com a nova regra, quem tiver salário superior a R$ 6.101.06, será diretamente afetado. 

Na tabela abaixo, construímos uma estimativa de como funcionará o novo desconto para professores e professoras aposentados e/ou pensionistas por doença incapacitante: 

Valor da remuneração Estimativa de desconto ao PSS anterior Estimativa de desconto ao PSS com a nova regra 
R$ 10.000,00 Não se aplicava R$ 428,89 

Reforma também afeta docentes da ativa 

Para professores e professoras da ativa, o maior desconto sobre a remuneração vem a partir de março. Os descontos que, em alguns casos, podem chegar a até 1/5 do salário, acontecem por que agora os servidores públicos federais pagarão alíquotas previdenciárias maiores sobre suas faixas salariais. 

No entanto, há duas regras distintas para a nova forma de cálculo, baseadas na data de ingresso do servidor docente. Para aqueles que entraram até 3/2/2013, antes da instituição do Funpresp, as alíquotas salariais podem chegar a até 22% da remuneração. Já para aqueles que começaram a trabalhar após essa data ou aderiram voluntariamente à previdência complementar, a regra é a mesma que para trabalhadores do setor privado, seguindo as mesmas alíquotas aplicadas aos servidores mais antigos, mas o limite da contribuição é o teto do INSS. Os valores acima do teto são descontados diretamente no fundo de pensão. 
 

Confira as faixas de alíquotas previdenciárias: 

Até um salário mínimo: 7,5% 
Mais de um salário mínimo até R$ 2 mil: 9% 
De R$ 2.000,01 a R$ 3 mil: 12% 
De R$ 3.000,01 a R$ 5.839,45: 14% 
De R$ 5.839,46 a R$ 10 mil: 14,5% 
De R$ 10.0001,00 a R$ 20 mil: 16,5% 
De R$ 20.000,01 a R$ 39 mil: 19% 
Acima de R$ 39.000,01: 22% 

Para exemplificar, o servidor ou servidora docente que recebe remuneração de R$ 11.000,00 e ingressou antes do Funpresp pagava, pela regra antiga, 11% do seu salário para a previdência, totalizando R$ 1.210,00 de descontos. Agora, os primeiros R$ 998 de sua remuneração, salário mínimo usado para base do cálculo, serão taxados em 7,5%. Os seguintes R$ 1002 reais, terão alíquota de 9%. Outros R$ 1 mil serão taxados em 12%, e assim sucessivamente. Por fim, a alíquota total será de 13,19% e a contribuição será de R$ 1450,83. 

Já o professor ou professora que aderiu ao Funpresp voluntariamente ou ingressou após 3/2/2013 e recebe os mesmo R$ 11.000,00 terá quatro faixas de alíquotas incidindo sobre sua remuneração. Os primeiros R$ 998 de sua remuneração serão taxados em 7,5%. Os seguintes R$ 1002 reais, terão alíquota de 9%. Outros R$ 1 mil serão taxados em 12% e os restante, até o Teto do INSS, será taxado em 14%. Além disso, o docente ainda deverá pagar um valor de seu salário para o Funpresp. Antes da Reforma, esse servidor pagava uma alíquota de 5,84% sobre o valor do Teto do INSS, ou seja, R$ 642,34 mensais. Agora pagará R$ 682,55, correspondente a 6,21%, mais o valor devido ao fundo de pensão. 

O governo disponibilizou uma calculadora da alíquota para os servidores e servidoras que tiverem dúvidas sobre seus descontos. Você pode acessá-la clicando aqui

Devemos tomar os levantes populares que vem ocorrendo na América Latina como exemplos a serem tomado para realizar uma grandiosa Greve Geral de Resistência Nacional no nosso país!

Foto: Nah Jereissati/ADUFC-Sindicato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s