Paralisação docente e ocupação contra a intervenção na UFPB

Repercutido de Universidade à Esquerda

Trabalhadores e estudantes seguem lutando contra a intervenção de Bolsonaro na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). As manifestações pedem pela saída de Valdiney Veloso Gouveia, reitor-interventor que foi menos votado na consulta pública, e pela posse da reitora escolhida pela comunidade universitária Terezinha Domiciano. 

Nesta quarta-feira, 18/11, os professores paralisarão as atividades em protesto contra a intervenção. O Sindicato dos Docentes da Universidade Federal da Paraíba (ADUFPB), seção sindical do ANDES está convocando os docentes para participarem da paralisação. A decisão foi tomada em assembleia geral dos docentes no dia 13 deste mês.

Os docentes também participam de um ato conjunto com Técnicos Administrativos em Educação e Estudantes em João Pessoa. Os manifestantes se concentram às 16 horas na Praça da Paz e seguem em caminhada para o prédio da Reitoria. 

Lá encontrarão os estudantes que seguem firmes na ocupação da reitoria, a despeito das tentativas de repressão. A ocupação teve início dia 05/11, quando estudantes se acorrentaram nas dependências da reitoria em protesto pela autonomia universitária. 

Repressão

Na última semana, a Justiça Federal concedeu em decisão liminar a “reintegração de posse” da reitoria contra a ocupação. A decisão autorizava o “uso de forças cabíveis” e preconizava multa diária de R$ 1 mil para cada manifestante que continuasse na ocupação. 

Com apoio de professores, técnicos e muita solidariedade de trabalhadores por todo o país a ocupação resistiu e segue na luta. A comunidade realizou um ato de posse para reitora eleita pela comunidade na ocupação, que contou com a presença da reitora e da vice-reitora. E se mobilizou para impedir a posse do interventor que teve que realizar uma cerimônia privada e com forte segurança. 

O reitor-interventor tentou também intimidar os docentes. Enviou um ofício a procuradoria da universidade a consultando sobre às implicações jurídicas da paralisação do dia 18 e às medidas que deveriam ser adotadas. A direção do sindicato dos professores denunciou a medida que tenta constranger a luta dos trabalhadores. Os docentes manterão a paralisação e lutarão também contra qualquer medida que vise coibir a luta dos trabalhadores.  

Autonomia Universitária

As lutas de trabalhadores e estudantes da UFPB se encontram com lutas que têm tomado às universidades e institutos contra as intervenções de Bolsonaro. O Presidente da República tem utilizado a permanência do mecanismo da lista tríplice para nomear reitores que não foram escolhidos pela comunidade universitária e que estão mais alinhados a sua política. 

Em cada universidade há disputas em torno do modo em que a escolha para seu dirigente máximo deve ser feito. O próprio debate sobre o modo de escolha é parte da tradição democrática que com muita luta tenta se construir nas universidades, em geral a partir dos movimentos dos trabalhadores e estudantes. E é parte do que dá substância a autonomia universitária em seu sentido pedagógico e político. 

As intervenções de Bolsonaro, e a própria sobrevivência do mecanismo autoritário da lista tríplice ao longo de toda a Nova República, atacam o princípio da autonomia e a própria substância universitária – e afetam não apenas cada comunidade intervida, mas a Universidade brasileira. As lutas em cada comunidade contra os interventores são lutas de todos nós.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s