Estudantes de pedagogia realizam importante Seminário de Formação em Petrolina-PE

Enfrentando adversidades, estudantes de pedagogia e professores democráticos,  conquistaram a realização do Seminário de Formação, dentro da Universidade de Pernambuco, persistindo na importante mobilização das universidades contra os ataques do governo militar genocida de Bolsonaro. Para assegurar as medidas sanitárias, a participação presencial foi limitada havendo uma transmissão online para os que não estavam no local do evento.

A vigorosa mobilização, atendendo a convocação da Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia e do DA Pedagogia e Resistência – UNEB Juazeiro-BA, expressou a necessidade da luta presencial, classista e independente para a defesa das universidades e do povo em meio a pandemia.

A mesa inicial contou com a saudação dos estudantes, professores, direção de uma escola da rede básica e alunos do comitê sanitário. Prosseguindo, a respeito do debate de situação política, uma integrante de um movimento de mulheres relacionou as manifestações recentes e o importante movimento das massas em meio a tamanha crise. Apresentando a importância de uma participação ativa do campo democrático no apoio a luta popular e em resposta aos ataques apelativos de Bolsonaro a todos os que lutam, seja no campo ou na cidade.

O fascista tenta criminalizar a justa luta pela terra e por pão, acusando os camponeses do acampamento Manoel Ribeiro de aterrorizar o estado de Rondônia enquanto defende as verdadeiras operações de guerra contra o povo a exemplo da que ocorreu na favela do Jacarezinho(RJ) onde todos os direitos civis foram negados a milhares de moradores no dia da incursão. A mobilização das massas na cidade e a vigorosa luta camponesa, que despertou solidariedade de centenas de entidades populares e organizações democráticas de todo o mundo, leva ao campo democrático o dever de posicionar-se ao lado das amplas massas populares. E mesmo diante de tantos perigos, acrescenta, há perspectiva de grandes transformações!

No período da tarde, os estudantes conformaram uma mesa, sobre a educação, com duas representantes do movimento estudantil e uma professora. Discutiu-se o tema do encontro: CONTRA O CORTE DE VERBAS NA EDUCAÇÃO: DEFENDER A UNIVERSIDADE PÚBLICA E A PESQUISA NACIONAL!

A segunda mesa do seminário trouxe a explicação de que a crise global e estrutural do capitalismo fora agravada pela pandemia do coronavírus colocando o Brasil, país atrasado do terceiro mundo, em situações de maior desemprego, aprofundamento de contrarreformas (previdência, trabalhista) e da exploração do trabalho. Dessa forma, a educação precisa ser analisada nesse contexto de crise e relação de submissão perante potências estrangeiras através de políticas educacionais e econômicas.

As reformas educacionais são pensadas e planejadas para atender as necessidades do sistema em questão, trazendo conteúdos flexíveis, formação ordenada, psicológica onde os especialistas pensam, planejam e o professor apenas executa. A EAD é colocada em 1995, pelo Banco Mundial e UNESCO, como um dos pontos cruciais para a educação do futuro. Seguindo essa concepção entre 1997 e 2005 vemos a EAD tornar-se modalidade e ser regulamentada; e através de políticas educacionais e decretos governamentais atingir números consideráveis dentro das universidades públicas e privadas em apenas 10 anos (2006-2016).

O avanço da modalidade atualmente se reflete no ensino remoto e uma das medidas mais drásticas do MEC é a permissão do aumento da carga horária em educação a distância e imposição aos alunos da rede básica ao usar a pandemia como justificativa para o fechamento das escolas. Estudantes denunciaram a precarização da educação com os cortes de gastos nas universidades e a necessidade de levantar-se para a luta de forma cada vez mais consequente exigindo a vacina para o retorno gradativo e presencial nessas universidades e escolas.

Esses espaços fechados e o uso do ensino remoto para nada servem a não ser para reforçar o controle político e ideológico, a formação aligeirada e tecnicista minimizando a relação entre teoria e prática no processo de ensino aprendizagem. É a tentativa de minar todas as possibilidades criticidade dentro dos espaços educacionais e de impedir os alunos de compreender os fenômenos sociais em sua essência. O impacto direto na vida acadêmica dos estudantes e a ameaça a existência das universidades públicas, principais produtoras da pesquisa nacional em nosso país. também foi evidenciado.

Ao final do encontro os participantes reafirmaram o compromisso com a luta e convidaram a todos os que defendem a educação gratuita, pública e de qualidade a participarem ativamente. Foram aceitas em votação as seguintes propostas: Moção do Seminário em apoio a liga dos camponeses pobres de Rondônia; a convite de uma aluna, visitar as aulas do comitê sanitário, participação do 24º FONEPe em SP enviando as devidas representações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s