Governos usaram software para invadir celulares de jornalistas e opositores, diz imprensa

Repercutido de Andes.org.br

Ativistas de direitos humanos, jornalistas, advogados e advogadas em todo o mundo têm sido alvos de espionagem por governos autoritários através do software Pegasus. A informação foi revelada pelo jornal The Guardian.

Cerca de 50 mil números de telefone de pessoas teriam sido monitorados pela empresa israelense NOS Group. Pegasus é um programa que infecta celulares smartphones, permitindo que os operadores acessem dados do dispositivo para coletar informações pessoais ou confidenciais do usuário, como mensagens, fotos e e-mails, além de gravar chamadas e ativar microfones secretamente.

A empresa negou qualquer irregularidade e insistiu que o projeto é usado apenas contra criminosos e terroristas e está disponível apenas para militares, policiais e agências de inteligência de países com bom histórico de direitos humanos.

Segundo o jornal britânico, o vazamento traz uma lista de mais de 50 mil números de telefones. Acredita-se que esses contatos são de pessoas de interesse de clientes da NSO desde 2016. Muitos dos números da lista estão concentrados em 10 países: Azerbaijão, Bahrein, Hungria, Índia, Cazaquistão, México, Marrocos, Ruanda, Arábia Saudita e Emirados Árabes, de acordo com os relatórios. Cerca de 180 jornalistas estariam na lista.

De 67 smartphones examinados, onde havia suspeitas de ataques, 23 foram infectados com sucesso e 14 mostraram sinais de tentativa de penetração. Para os restantes 30, os testes foram inconclusivos, em vários casos devido à substituição dos auscultadores. O Laboratório de Segurança da Anistia Internacional, um parceiro técnico do projeto, fez as análises forenses.

Em maio, uma reportagem do UOL afirmou que o vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, teria participado de negociações para que a NSO participasse de uma licitação do Ministério da Justiça para compra do sistema. Segundo o site, o envolvimento de Carlos Bolsonaro teria gerado insatisfação em militares do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e da Agência Nacional de Inteligência (Abin), já que o tema estaria fora da alçada do vereador do Rio de Janeiro. Na ocasião, o vereador negou que tivesse articulado qualquer negociação.

Investigação

O Projeto Pegasus é uma série de reportagens investigativas, produzida pela parceria dos 17 veículos de mídia com Anistia Internacional, ONG de direitos humanos com sede em Londres, que ajudou a reportagem com auxílio técnico e testes forenses em celulares infectados. Os conteúdos estão sendo publicados pela Forbidden Stories, um grupo de imprensa sem fins lucrativos, com sede na França.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s