Estudantes que moram no Crusp estão sob ameaça de despejo

Repercutido de Universidade à Esquerda

Na última semana, moradores regulares de um dos blocos do Conjunto Residencial da Universidade de São Paulo (Crusp) receberam e-mail solicitando uma reunião por apartamento com assistentes sociais para um “acordo” de remoção, em troca de irem para outra vaga em outro bloco ou aceitarem um auxílio-moradia de 500 reais. A denúncia foi feita através do Instagram “Epicentro da Revolta – USP” no dia de ontem.

O Crusp foi construído na década de 1960 e é um conjunto de sete prédios, construídos como alojamento para os atletas dos jogos Pan-Americanos, além de um oitavo, construído na última década. Foi com uma série de lutas estudantis e ocupações que esses prédios foram transformados em moradia para a universidade.

Vale lembrar que em 1968, o Crusp foi cercado e desocupado à força pelo Exército, o que resultou na prisão de diversos estudantes. Em 1979, após grande mobilização estudantil, o Crusp voltou a ser ocupado pelos estudantes, os quais tomaram os prédios dos órgãos burocráticos que se apossaram da moradia. Isso garantiu sete blocos para a moradia, três foram demolidos e o K e L continuaram ocupados pela reitoria.

Essa reforma, segundo a Superintendência de Assistência Social (SAS), faz parte da tentativa de adequar as políticas sociais da universidade, visando superar ruídos no relacionamento com os seus moradores, reformar as estruturas dos blocos de moradia e aprimorar o fornecimento de serviço de apoio aos alunos.

A obra está prevista para durar um ano e inclui a reforma de toda a infraestrutura elétrica e hidráulica readequada, a reforma das cozinhas, lavanderia, salas coletivas e acessibilidade nos ambientes. 

Porém, na reunião entre estudantes e assistência social, foi avisado que o prédio precisa ser evacuado junto com todos os móveis e pertences até o dia 15 do próximo mês, ou seja, foi dado um prazo extremamente curto para os estudantes se planejarem. No total, cerca de 87 moradores regulares seriam realocados, mas não há certeza de vagas para todos, além de que 500 reais não é o suficiente para pagar um aluguel em São Paulo.

Cabe ainda destacar que entre os meses abril e maio, três estudantes da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP cometeram suicídio. Um deles era morador do Crusp. 

Desde o final do ano passado, os estudantes denunciam a precariedade da moradia estudantil. As máquinas de lavar roupa, por exemplo, tem problemas desde 2014, as máquinas foram parando de funcionar e não foram trocadas ou consertadas. 

Os estudantes denunciaram, na página Epicentro da Revolta que estavam “sem cozinha, lavanderia, com infiltrações que já estão até dando cogumelos nos tetos, sem reforma hidráulica e elétrica, apenas gambiarras”. 

Ao mesmo tempo, a Reitoria da USP firmou parceria com as empresas Uliving Brasil e Share Student Living, ambas atuam no segmento de moradia estudantil do mercado de imóveis e oferecerão nove “pacotes de hospedagem” gratuitos, por até cinco anos, a estudantes da USP oriundos de escolas públicas. É a chamada bolsa-moradia, que a Reitoria associa ao programa denominado “Vem pra USP!”. 

A Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo (Adusp) solicitou ao vice-reitor Antonio Carlos Hernandes cópias dos termos de parceria firmados com as empresas Uliving Brasil e Share Studing Living. Contudo, até o dia 13 de julho, dia em que a associação publicou a matéria, esses documentos não foram repassados. 

A reivindicação dos estudantes é de que a reforma seja planejada e organizada, já que vai afetar a vida de diversos estudantes, que até o momento foram tratados com extremo descaso. Além disso, pedem a devolução dos blocos K e L. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s