Centro Acadêmico lança nota contra atrasos no pagamento das bolsas do PIBID e Residência Pedagógica

Segue abaixo nota do Centro Acadêmico do curso de Pedagogia Anita Garibaldi – UFFS

NOTA CONTRA OS ATRASOS NO PAGAMENTO DAS BOLSAS DO PIBID E
RESIDENCIA PEDAGÓGICA

O Centro Acadêmico do curso de Pedagogia – Anita Garibaldi – da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), campus Laranjeiras do Sul-PR vem, através dessa nota, denunciar o atraso no pagamento das bolsas dos programas destinados à formação de professores como o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) e Residência Pedagógica.

Ambos os programas são gerenciados pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), órgão ligado ao MEC (Ministério da Educação). A Capes regula e fomenta a pós-graduação no país, mas tem essas duas iniciativas com foco na educação básica. Com orçamento reduzido nos últimos anos, os pagamentos dependem da aprovação pelo Congresso de um crédito suplementar direcionado à coordenação. Um projeto, de autoria do governo, prevê R$ 43 milhões para a Capes e está em trâmite desde o final de agosto e não tem um prazo para regularizar a situação.

O cenário nacional é ainda pior, na última semana também (07/10) o Congresso Nacional retirou quase toda verba da Ciência e Tecnologia e destinou para outras áreas. Dos R$ 690 milhões inicialmente previstos, agora só R$ 89,8 milhões ficarão para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, sendo que desses, ainda serão divididos entre o setor, ficando a maior parte, cerca de R$ 82.577.489,00, para a Comissão Nacional de Energia Nuclear.

Esse atraso nos pagamentos das bolsas, que deveriam ter ocorrido no início deste mês de Outubro, afeta cerca de 60 mil bolsistas, entre estudantes, coordenadores institucionais e coordenadores de área.

Os coordenadores institucionais e principalmente os coordenadores de área, estão envolvidos na orientação dos bolsistas e também são afetados. E ainda, os professores, pedagogos e diretores das escolas públicas, responsáveis pela supervisão dos estudantes, continuam desenvolvendo seu trabalho para colocar a escola a disposição dos estudantes.

Já a situação dos estudantes se torna ainda mais absurda frente as altas taxas de desemprego e trabalho precário entre a juventude. A maioria desses estudantes também recebiam o auxílio emergencial em virtude da Covid-19 e tiveram seu beneficio suspenso por receberem a bolsa da Capes, logo, a bolsa é atualmente sua única e principal fonte de renda.

Sabemos que essa não deveria ser a finalidade da bolsa, pois não é uma espécie de “auxílio” e por isso não poderia ser um complemento de renda, tão pouco como a única. Mas estaríamos falando de um mundo ideal e distante do nosso, em que as pessoas tivessem trabalho e condições dignas de sobrevivência, ai sim a bolsa seria realmente o que é pra ser, um incentivo a pesquisa, a elaboração de atividades científicas e desenvolvimento de projetos.

Além de tudo, a remuneração da bolsa também cobre os gastos com as próprias atividades desempenhadas, como o deslocamento dos estudantes até a escola (alguns vêm de outras cidades), com alimentação e até na compra de materiais para desenvolver atividades. E agora, sem receber bolsa, os estudantes são quem estão pagando para realizar suas atividades!

Para nós não é um problema ajudar de forma voluntária os milhares de estudantes do nosso povo que ficaram sem aulas presenciais e agora, no retorno as aulas, necessitam de reforço pedagógico. Temos feito isso desde Novembro de 2020, aqui em Laranjeiras do Sul, com as atividades do Comitê de apoio pedagógico e sanitário, e no Brasil como um todo desde o início da Pandemia, nossos colegas de diversos Estados tem se lançado bravamente nessa tarefa.

Mas precisamos responder isso de forma imediata e contundente, não apenas sobre os atrasos nas bolsas da Capes mas também a esse desmonte de maneira geral no MCTI. Precisamos nos unir a movimentos nacionais como o da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) que convoca todos cientistas, pesquisadoras e pesquisadores e sociedade civil no geral para uma paralisação nacional, no dia 20 de outubro. Convocar também os milhares de estudantes, professores do Ensino Superior e das escolas municipais insatisfeitos com esse descaso e integrar o Dia Nacional de Mobilização em Defesa da Ciência, para que a situação seja revertida.

ABAIXO O CORTE DE VERBAS NA EDUCAÇÃO!
PELO IMEDIATO PAGAMENTO DAS BOLSAS AOS ESTUDANTES DO PIBID E DO
RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA!
DEFENDER A UNIVERSIDADE PÚBLICA E A PESQUISA NACIONAL COM UNHAS E
DENTES!

Centro Acadêmico do curso de Pedagogia
Universidade Federal da Fronteira Sul
Laranjeiras do Sul, 16 de Outubro de 2021

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s